Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A juíza da 2ª Vara da Justiça da Comarca de Quixadá, Ana Cláudia Gomes de Melo, passou a desenvolver uma nova dinâmica no combate à violência de gênero. Os agressores estão participando de um grupo de apoio e recebendo tratamento psicológico.

A inovação surgiu com a criação do Grupo de Retificação Subjetiva do Agressor, a cargo do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA), do curso de Psicologia do Centro Universitário Católica de Quixadá, a Unicatólica.

O Fórum de Justiça de Quixadá Desembargador Avelar Rocha, firmou parceria para a criação do grupo especial e a aplicação da dinâmica. Quando são deferidas medidas protetivas de urgência, a participação no grupo é uma das obrigações, explicou a magistrada. Cada reunião, em um total de 12, cumpre um objetivo específico.

Os encontros ocorrem uma vez por semana, com duração de duas horas cada. No máximo, em cada grupo, participam 12 homens. Como a participação no grupo reflexivo é obrigatória, atendendo medida judicial estabelecida pela representante do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE) na 2ª Vara da Comarca de Quixadá, até a eventual falta a uma das reuniões foi observada. Para desestimular a quebra do ciclo, nos casos de falta não justificada o infrator deverá participar de outros dois encontros complementares.