Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Depois de se encontrar com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse hoje (13) que a equipe de transição do novo governo quer evitar a aprovação no Congresso das chamadas pautas-bombas, como aquelas que podem aumentar as despesas para a administração federal.

Segundo o deputado, a bancada do PSL e de outros partidos que “estiverem dispostos a dialogar” vão se articular para os projetos, que podem gerar mais gastos a partir do ano que vem, não sejam aprovados.

“A reunião aqui foi um alinhamento de ideias para fazer um canal, uma orientação que visa, principalmente, evitar a votação de pautas-bombas. Alinhar a comunicação para não ter qualquer tipo de ruído, algo normal nessa transição”, disse Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro

O deputado federal do PSL, Major Olímpio (SP), eleito senador, também participou do encontro no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), e disse que o foco da conversa foi as pautas que já estão em andamento na Câmara e no Senado, exceto a reforma da Previdência.

“Não é questão de preocupação, é simplesmente nós termos uma sintonia em relação aos projetos que estão sendo discutidos neste momento. Agora, estamos com verificação de votação lá para ver a orientação do grupo de transição para que a gente possa fazer a sustentação de apoiamento ou não a qualquer projeto que vá ser votado na Câmara e no Senado”, disse.

Questionado sobre possíveis mudanças no projeto do Orçamento do próximo ano, que deve ser aprovado em dezembro pelos parlamentares, Eduardo Bolsonaro reiterou que o objetivo é impedir qualquer pauta que aprove subsídios, reajustes que gerem mais “sacrifícios” para o futuro governo. Ele citou como exemplos a aprovação recente dos projetos do Rota 2030, que alterou o regime tributário para o setor automotivo, e o que reajustou os salários dos ministros do Supremo Tribunal federal (STF) e da Procuradoria-Geral da República (PGR), e deve provocar um efeito cascata no Judiciário.

“Eu acredito que o papel do governo que está de saída é simplesmente equilibrar as contas e não gerar mais gastos colocando para o governo futuro uma situação de pior crise financeira”, disse o deputado reeleito.

Eduardo Bolsonaro informou que ainda hoje o pai deve conversar, por telefone, com os presidentes da Câmara e do Senado para tratar das pautas econômicas. Amanhã (14), Bolsonaro participará de um café da manhã com Rodrigo Maia.

Com informações Agencia Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp