Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os dirigentes da Ordem dos Advogados do Ceará (OAB) entregaram, nesta segunda-feira, ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Gladyson Pontes, no Palácio da Justiça, Cambeba, em Fortaleza, documento com uma série de cobranças ao Judiciário para melhorar o atendimento nos municípios do Interior. O presidente da OAB, Marcelo Mota, acompanha dos presidentes das 15 subseccionais da instituição, discutiu as demandas da advocacia e da sociedade colhidas durante o projeto OAB Itinerante. O documento foi elaborado a partir das visitas realizadas, nos meses de fevereiro e março, pelos dirigentes da Ordem dos Advogados do Cear& aacute; ao Interior.

“A OAB cada vez mais se fortalece porque procuramos dar um norte para a nossa gestão acolhendo as ideias da advocacia com benefício não só à classe, mas à sociedade”, destaca Marcelo Mota, ao defender a  necessidade da realização de novos concursos públicos e nomeação de servidores e magistrados, principalmente, nas comarcas do interior do Estado.

Visando o enriquecimento acadêmico e de forma a auxiliar no andamento dos trabalhos nas Varas, Marcelo Mota reiterou a proposta de um convênio entre o TJCE, OAB-CE e faculdades, no qual a Seccional recrutaria e treinaria estudantes do curso de Direito, para que estes fossem alocados no Judiciário, não como uma força de trabalho substitutiva de servidores, mas uma contribuição para a formação dos estudantes.

Outra cobrança feita pelo presidente da OAB diz respeito ao Fórum Clóvis Beviláqua. Mota salientou que os usuários continuam enfrentando enormes problemas estruturais e físicos, entre os quais a falta de ventilação, obras inacabadas, poeira e falta de conforto no aguardo das audiências. Entre as demandas mais urgentes, foi solicitada a instalação de imediato do novo Grupo Permanente de Interlocução entre a OAB/CE e o TJCE, tendo em vista que o intercâmbio entre as duas instituições permite o aprimoramento da prestação jurisdicional e diminui as deficiências do exerc&iacut e;cio profissional da advocacia na jurisdição estadual.

A OBA cobrou, também, a criação de uma rotina equivalente nas entrâncias de 1° Grau, a uniformização de expedientes, audiências, exigências, de modo que os advogados cearenses tenham um referencial no momento do exercício profissional em toda a administração judiciária cearense. Além disso, a Ordem solicitou o cumprimento do horário das audiências, bem como suas marcações às sextas-feiras, bem como melhor organização e divulgação, no período do recesso forense, das escalas dos magistrados, de maneira a permitir que advogados e partes saibam a quem recorre r neste intervalo. Com informações da assessoria de imprensa da OAB-CE