Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os casos de coronavírus no Brasil devem continuar crescendo, de acordo com uma pesquisa realizada pela Casa Branca para monitorar números sobre a doença. O estudo aponta que o cenário no Brasil deve piorar e agora projeta mais de 125 mil mortes no país até agosto. O Ceará já passa de 37 mil casos e registra 2.603 mortes pela doença.

Segundo o estudo, mais de 15 mil mortes são estimadas até agosto no Ceará. A previsão é do Instituto para Métricas de Saúde e Avaliação (IHME, na sigla em inglês), ligado à Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Os municípios cearenses ainda cumprem um decreto estadual que determina um isolamento mais rígido entre a população. De acordo com a determinação, está proibido o deslocamento de veículos e pessoas sem justificativa, além do uso obrigatório de máscara e instalação de barreiras sanitárias para fiscalizar o fluxo de carros nas entradas e saídas da cidade.

O Governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, já prorrogou pela quinta vez o prazo do decreto desde o início da pandemia no estado, em março.

Sobre o estudo

No meio de maio, a previsão era de que 88.305 pessoas morressem por Covid-19 até 4 de agosto no país. Mas após o crescimento de casos e mortes em território brasileiro nas últimas semanas, e o país ter passado a ser o epicentro da pandemia, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o instituto americano também atualizou os números para pior.

As projeções mostram que o pico de mortes diárias no Brasil deve acontecer em 13 de julho, com 1.526 óbitos em 24 horas. Antes, o pico era em 1 de julho, com 1.024 mortes em apenas um dia.

A expectativa é que partir de agosto, a curva de mortes diárias comece a descer, mas ainda na faixa de quase 1,4 mil a cada 24 horas naquele mês.

O instituto fez projeções por estados brasileiros até o dia 4 de agosto. Veja abaixo:

São Paulo: 32.043 (projeção anterior era de 36.811)
Rio de Janeiro: 25.755 (projeção anterior era de 21.073)
Pernambuco: 13.946 (projeção anterior era de 9.401)
Ceará: 15.154 (projeção anterior era de 8.679)
Maranhão: 3.625 (projeção anterior era de 4.613)
Bahia: 5.848 (projeção anterior era de 2.443)
Amazonas: 3.194 (projeção anterior era de 5,039)
Paraná: 626 (projeção anterior era de 245)
Pará: 13.524 (sem projeção anterior)
Espirito Santo: 2.853 (sem projeção anterior)
Minas Gerais: 2.371 (sem projeção anterior)
Alagoas: 1.788 (sem projeção anterior)
Rio Grande do Sul: 1.165 (sem projeção anterior)
Paraíba: 1.142 (sem projeção anterior)
Goiás: 893 (sem projeção anterior)
Amapá: 529 (sem projeção anterior)
Rio Grande do Norte: 492 (sem projeção anterior)
Santa Catarina: 464 (sem projeção anterior)
Acre: 422 (sem projeção anterior)

Murray afirma que a previsão do IHME captura efeitos das regras de distanciamento social, tendências de mobilidade e capacidade de testes. As projeções mudam de acordo com alterações nessas políticas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp