Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Petrobras vai reajustar o preço do Gás de Cozinha (GLP) nesta sexta-feira, 4. A estatal confirmou ao Jornal Correio Braziliense que a política de ajuste trimestral do GLP será mantida.

Pelos cálculos do economista Carlos Thadeu Filho, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o preço do gás subirá entre 15% e 20%, o que terá impacto forte nos índices de inflação e, claro, no bolso dos consumidores, sobretudo os mais pobres.

Segundo Fábio Bentes, economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio (CNC), é possível que o governo segure parte desse aumento, por causa da eleição, e repasse a diferença retida no próximo trimestre, em janeiro, já com o próximo presidente empossado.

Para Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, não há motivo, neste momento, para um reajuste tão elevado do gás de cozinha. Nas contas dele, o aumento deve ser de 0,05%, ou seja, praticamente nada, pois o dólar caiu e o petróleo se manteve dentro do previsto, com pequeno ajuste.

Os constantes aumentos do gás de cozinha provocou grande desgaste ao governo. Tanto que o presidente Michel Temer conseguiu que a Petrobras tornasse o aumento trimestral. O gás está tão caro, que muitas famílias mais pobres voltaram a cozinha no fogão a lenha.

Segundo os especialistas, será preciso rever a política de preços do gás. Hoje, há subsídios, mas eles beneficiam ricos e pobres. Para Adriano Pires, isso precisa mudar. Os subsídios devem valer apenas para os mais pobres. Esse benefício seria dado por meio de um cartão específico.

Com informações do Jornal Correio Braziliense