Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Michel Temer, primeiro presidente da República brasileira a sentar no banco dos réus acusado de corrupção, enfrenta hoje a batalha inicial na luta para se manter no cargo. Ele deverá vencê-la, porém, uma segunda denúncia será apresentada pelo Ministério Público Federal ainda neste mês de agosto. Enquanto isso, a crise generaliza-se. As universidades sem recursos para saldar compromissos básicos, hospitais sem remédio e a Policia Rodoviária Federal sem combustível. Quando vice-presidente, Temer dizia que um governo com 8% de aceitação não podia governar, referindo-se à Dilma. O Governo Temer tem apenas 5%.

Está difícil

Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirma que, assim como Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem “dificuldade” para aceitar modificação na meta fiscal deste ano, como vem estudando o governo federal. “Nós temos dificuldade, ambos, tanto o presidente da Câmara quanto do Senado, de modificação na meta fiscal. Temos que encontrar mecanismos dentro da Câmara e do Senado que não sejam acréscimo de impostos e geração de inflação”, afirmou o peemedebista em entrevista após café da manhã com Maia, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e líderes da base aliada na Câmara.

Conversa pra boi dormir

Roberto Cláudio quer estender até às 22 horas o funcionamento do comércio do Centro de Fortaleza, como nos shoppings. A diferença está na segurança. Os descuidistas atuam com facilidade na área central da Capital durante o dia. Então, para colocar em prática a ideia, o prefeito de Fortaleza tem que combinar com o midiático secretário de Segurança Pública, André Costa, e ver se há número suficiente de policiais. Aliás, essa conversa de o Centro funcionar à noite é antiga e nunca deu certo.

Que parece, parece

E por falar nele, André Costa pode até não ser, mas comporta-se como candidato a deputado em 2018. Além da presença constante na mídia, o homem da segurança pública está recebendo até vereador do interior do Estado. Porém, se os índices de violência no Ceará não caírem efetivamente, a pretensão política de Costa desaba. A aposta de Camilo Santana no secretário de Segurança seria para tirar votos do combativo Capitão Wagner.

Sopa de letras

Deputado federal carioca Jair Bolsonaro tentou trocar o PSC pelo PSDC. Ely Aguiar até que se animou, mas não deu certo. Agora, ele quer se candidatar a presidente da República em 2018 pelo Partido Ecológico Nacional. O único deputado estadual pelo PEN, o médico Bruno Gonçalves, avisou que o compromisso de seu grupo político no Ceará é com o presidenciável Ciro Gomes, do PDT.

Entusiasmo

Sergio Aguiar (PDT) subiu na tribuna da Assembleia Legislativa para comemorar a inclusão de mais 15 municípios cearenses no Semiárido. Serão mais recursos para ajudar no desenvolvimento do Ceará. O deputado deixou claro, porém, que a “luta vai continuar” para que outros 20 municípios também sejam beneficiados. Sérgio disse que, se necessário for, irá mais uma vez a Brasília para alcançar o intento.

Palavra

Presidente da Assembleia Legislativa, José Albuquerque, disse que este mês vai instalar a CPI do Narcotráfico, que “dorme” nas gavetas do parlamento desde o ano passado. E mais: levará ao plenário o secretário de Segurança Pública, André Costa, para discutir e tirar as dúvidas dos parlamentares. São duas reivindicações da oposição. Albuquerque tem procurado ajudar o Palácio da Abolição na questão da segurança.

Geladeira

Remarcada para esta quinta-feira à tarde a reunião da Mesa Diretora da AL com os líderes para discutir a carta enviada pela procuradora de contas do TCM, Neiliane Feitosa. Ainda não se sabe o teor da missiva. A intenção do presidente José Albuquerque é esfriar o assunto, que não interessa à coletividade. A procuradora chamou os deputados que são a favor da extinção do TCM de “moleques”

De olho

O Observatório de Licitações Municipais do TCM abriu processos para investigar irregularidades em 48 licitações realizadas no primeiro semestre de 2017, envolvendo R$ 97 milhões em recursos públicos. Dentre as 48 licitações, 19 estão sendo questionadas por irregularidades na documentação, projeto e objeto licitado, elementos técnicos e preço. As outras 29 são contestadas por não terem cumprido as regras do Portal de Licitações dos Municípios.