Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os dados positivos do Governo do Estado no combate à criminalidade deixam a população com maior sensação de segurança e, ao mesmo tempo, geram impacto no discurso da oposição à administração Camilo Santana (PT). Os números da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, apresentados, nessa terça-feira (7), mostram que, em 2019, houve uma queda de 50% na quantidade de homicídios.

Com menos violência, o governo acaba por neutralizar, em parte, as críticas da oposição: os números crescentes de homicídios, assaltos e ataques a agências bancárias sempre deram o combustível para a oposição – a qualquer governo, alimentar o discurso mais ácido com cobranças para o poder público adotar medidas de maior proteção ao cidadão.

A análise sobre o cenário estadual na área de segurança pública, com reflexo na política, ganhou destaque, no Jornal Alerta Geral, com o Bate Papo entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida nesta quarta-feira (8).

Luzenor chama atenção para os resultados positivos das iniciativas no combate à criminalidade obtidos pelo Governo do Estado, mas pondera que ainda há desafios a serem enfrentados diante dos números de homicídios que ainda são elevados.

“Embora registre-se que o Ceará é o estado que mais reduziu o número de assassinatos em um ano em todo o Brasil.  Caiu pela metade, em 2019, o número de homicídios no Ceará, tanto na Grande Fortaleza, quanto no interior do estado. Isso naturalmente, é fruto em parte dessas medidas que formaram um cerco contra as facções criminosas, que no início de 2019 criaram um ambiente de insegurança e violência no estado do Ceará”, destaca o jornalista.

O Ceará apresentou, no ano passado, queda superior a 50% no número de homicídios. Em 2018, foram 4.518 casos, enquanto nos 12 meses do ano passado, o número de homicídios caiu para 2.257.

Beto concorda que os dados divulgados de fato devem ser motivo de comemoração para o Governo do Estado e ressalta que diante das informações se percebe uma epidemia de violência que os cearenses vinham enfrentando.

“Os números são altos ainda, diga-se de passagem. Não é que nós agora estejamos em um mar de rosas. Acho, inclusive, que do final e dezembro, até esses primeiros dias de janeiro, o número de feminicídios, de mortes violentas a mulheres no estado do Ceará é algo absurdo. Os casos recentes chegam a causar comoção”, afirma Beto, destacando que as decisões tomadas pelo Governo do Estado na área de segurança garantiram o resultado atual.

O jornalista ainda destaca que durante o discurso do governador do Estado, Camilo Santana, não houve menção a ação do Ministério da Justiça. Beto relembra que durante o auge da crise da segurança no Ceará, quando o estado sofreu com ataques criminosos de facções no ano passado, o governador obteve a ajuda do Governo Federal para combater as ações criminosas no estado.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp