Categorias
Política Política Estadual Destaque3

Sucessão 2020: Roberto Cláudio tira de Acilon comando do PR em Fortaleza

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), não deu fôlego e tirou das mãos do prefeito do Eusébio, Acilon Gonçalves, o comando do diretório municipal do PR na Capital. Roberto indicou o ex-vereador de Maracanaú e ex-deputado estadual Francisco Barroso para o comando municipal do PR na Capital.

Acilon assumiu os rumos do Partido da República no Ceará e levou para a sigla o filho Bruno, a esposa Marta, vereadora, e o deputado federal Júnior Mano, que é o presidente da Executiva Regional da agremiação.

O grupo de Acilon saiu do Patriota e buscou abrigo no PR na estratégia de criar condições para um projeto de candidatura ao Senado ou ao Governo em 2022. A transferência para o PR provocou na largada duas baixas no grupo do prefeito do Eusébio: os deputados estaduais Nizo Costa e Apóstolo Luiz Henrique, por orientação dos articuladores políticos do Palácio da Abolição, não o acompanharam. Henrique se filiou ao PP, enquanto Nizo entrou no PSB.

Antes do projeto para a sucessão de Camilo Santana, Acilon disputará, no próximo ano, à reeleição e quer eleger, pelo menos, 25 prefeitos em cidades do Interior e na Grande Fortaleza. Quanto à Capital, Acilon começou a trabalhar para eleger, pelo menos, seis vereadores, mas perdeu espaços porque o PR fica nas mãos do prefeito Roberto Cláudio.

Categorias
Luzenor de Oliveira Política Destaque1 Destaque3

Com grupo político enfraquecido, Acilon tem projeto esvaziado antes do tempo e fica irado

O prefeito do Eusébio, Acilon Gonçalves (PR), anda furioso com os articuladores políticos do Palácio da Abolição que o impuseram o isolamento e o esvaziamento da sua base na Assembleia Legislativa. O prefeito manifesta, entre interlocutores, indignação com o Governador Camilo Santana, mas decidiu ficar calado para se preservar na corrida pela reeleição em 2020. 

Acilon assumiu o comado do PR no Ceará após, em 2018, ter saído das eleições, pelo Patriota, com três deputados estaduais – Bruno Gonçalves, o filho, Nizo Costa e Apóstolo Luiz Henrique; e um federal – Mano Júnior. Com a mudança para o PR, Acilon queria manter um grupo com, pelo menos, cinco deputados estaduais, e criar uma base mais sólida para se viabilizar candidato a Governador ou a Senador em 2022. 

O projeto, construído de forma isolada, foi, porém, atropelado pelo Palácio da Abolição que tirou do grupo de Acilon os deputados estaduais Luiz Henrique, que se filiou ao PP, e Nizo Costa, que se transferiu para o PSB. “A fúria do Acilon pelo poder o levará a perder outros aliados“, confessou um integrante de base de apoio ao Governo do Estado na Assembleia Legislativa, sem declinar nomes, nem cidades onde atuam essas lideranças políticas.

Insatisfeito e irritado com as manobras políticas que o deixaram sozinho com o filho, Bruno, na Assembleia Legislativa, Acilon Gonçalves tenta espernear, mas chegou à conclusão de que, sem uma oposição forte ao Governo do Estado, que o possibilite um guarda-chuva de proteção, sentiu que é preferível ficar calado e garantir verbas e convênios com a administração Camilo Santana na caminhada para selar a reeleição em 2020. 

Depois de perder os deputados estaduais Luiz Henrique e Nizo Costa, Acilon passou a se articular para ampliar a representação do PR na Assembleia Legislativa. Chegou a conversar com outros dois deputados estaduais. Os parlamentares, com as bênçãos do Governador Camilo Santana, estão, porém, a caminho do PSB.

Categorias
Política Destaque1 Destaque3

Acilon Gonçalves perde força e fica com apenas um deputado estadual no grupo

A esperteza política com caminho curto: prefeito de Eusébio perde mais um aliado – Informações de Sátiro Sales

O prefeito do município de Eusébio, Acilon Gonçalves, sofreu, nessa terça-feira (19), mais um golpe nas articulações para fortalecer o PR e sonhar com uma candidatura ao Governo do Estado ou ao Senado em 2022. O deputado estadual Nizo Costa, eleito, em 2018, pelo Patriota, decidiu abandonar o grupo político liderado por Acilon e, com as bênçãos do Governador Camilo Santana, se filiou ao PSB.

Coube ao deputado federal Denis Bezerra, do PSB, fazer a interlocução para a mudança de partido de Nizo Costa. 

Acilon sempre falava que jamais acreditaria na saída de Nizo do seu guarda-chuva político. O mesmo discurso Acilon adotou, também, com o deputado eleito para o primeiro mandato Apóstolo Luiz Henrique que, no início da atual legislatura, recusou o convite do então chefe político para se filiar ao PR e, ao sair do Patriota, desembarcou no PP. 

O prefeito do Eusébio comemorou, em 2018, a ampliação do seu grupo político, elegendo Luiz Henrique e Nizo Costa e reelegendo o filho Bruno Gonçalves, e o deputado federal Mano Júnior. Como o Patriota estava ameaçado de extinção por não alcançar a cláusula de barreira, Acilon migrou, no início deste ano, para o PR e perdeu os aliados Luiz Henrique e Nizo Costa. 

Com apenas um aliado na Assembleia Legislativa, o filho Bruno Gonçalves, Acilon trabalha para ampliar as bases do PR nas eleições de 2020 e, quanto ao projeto para ser governador ou senador em 2022, tudo, por, enquanto, é sonho. Talvez, como dizem os seus adversários no Eusébio, sonho de verão! 

Categorias
Luzenor de Oliveira Destaque1 Destaque3

PP frustra planos de Acilon de construir, com o PR, a 2ª maior bancada na AL

O Palácio da Abolição identificou as articulações do prefeito do Eusébio, Acilon Gonçalves, para construir uma base partidária de olho na disputa ao Governo do Estado ou Senado Federal em 2022. Acilon vinha na tentativa de montar a segunda maior bancada partidária da Assembleia Legislativa, mas, com isso, os planos do prefeito, que controla o PR, começam a ser frustrados.

O apóstolo Luiz Henrique, do Patriota, não seguirá os caminhos de Acilon e decidiu aceitar o convite para se filiar ao PP, e assumir a liderança do partido na Assembleia Legislativa. As articulações para essa mudança de rumo passaram pelo Palácio da Abolição, que não viu com bons olhos a estratégia traçada pelo prefeito do Eusébio.

Acilon assumiu o controle do PR e estava levando para a sigla os três deputados estaduais eleitos pelo Patriota – além de Luiz Henrique, Nizo Costa e Bruno Gonçalves. Com essa movimentação, o PR, que elegeu a deputada estadual Dra. Silvana, ficaria com quatro integrantes –  segunda maior bancada no Legislativo. Essa posição ficará com o PP. A maior bancada será a do PDT, com 14 deputados estaduais.

Sob o comando do deputado federal diplomando Antonio Albuquerque, filho do deputado estadual reeleito Zezinho Albuquerque, o PP começa a nova legislatura, a partir do dia primeiro de fevereiro, com cinco deputados estaduais – Fernando Hugo, Bruno Pedrosa e Leonardo Pinheiro (reeleitos), Luiz Henrique, que sai do Patriota, e o médico Lucilvio Girão, que assume a vaga com a ida de Zezinho Albuquerque (PDT) para a Secretaria de Cidades do Estado. Lucílvio é o primeiro suplente da coligação que tem PP e PDT.

Estamos aguardando o sexto deputado, que espera a janela partidária para receber o abrigo do PP“, disse, na manhã desta quinta-feira, o deputado estadual reeleito Fernando Hugo, ao conversar com a reportagem do Ceará Agora. O sexto deputado é Nelinho de Freitas, eleito pelo PSDB, e filho do ex-prefeito de Russas, Raimundinho Cordeiro de Freitas.

Categorias
Política Destaque1 Destaque3

Acilon entra no PR e assumirá comando do partido no Ceará com olhos voltados em 2022

O prefeito de Eusébio, Acilon Gonçalves, abandonou o Patriotas e desembarca no Partido da República (PR), ao lado dos deputados estaduais Bruno Gonçalves, Nizo Costa e Apóstolo Henrique, e do deputado federal Mano Júnior. Acilon está em Brasília e, ao se filiar ao PR, recebeu o compromisso de assumir o comando da sigla no Ceará

O PR, com as novas filiações, passa a quatro deputados estaduais – a sigla elegeu, em 2018, a Dra. Silvana. Acilon quer montar o PR para ampliar o número de prefeitos e vereadores nas eleições de 2020 e, em 2022, colocar em prática um desafio para encerrar a carreira política: concorrer ao Governo do Estado ou ao Senado Federal.

Com passagem pelo PMDB, PDT, PSB, PEN e Patriotas, Acilon enxerga no PR o caminho para se viabilizar o sonho de ser governador ou senador. Antes do sonho de 2022, Acilon concorrerá, no próximo ano, à reeleição, tentando, assim, acumular quatro mandatos de prefeito da cidade do Eusébio.