Categorias
Saúde Destaque2

Mortes por câncer de pulmão entre mulheres deve estabilizar em 2030

A taxa de mortalidade por câncer de pulmão entre as mulheres brasileiras vai encerrar uma tendência histórica de elevação em 2030 e estabilizar-se. A consequência direta desse cenário é a diminuição da prevalência do tabagismo na população feminina, resultado das ações da Política Nacional de Controle do Tabaco. Essa estimativa integra o estudo inédito “A curva epidêmica do tabaco no Brasil: para onde estamos indo?”, lançado nesta quinta-feira (29), data em que comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo, pelo Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O estudo apresenta as tendências temporais da taxa de mortalidade por câncer de pulmão observadas de 1980 a 2017 e estimadas até 2040.

O estudo aponta que a taxa de mortalidade por câncer de pulmão entre os homens continua a cair e deve manter essa tendência nos próximos anos, também reflexo da redução da prevalência de fumantes incentivada pelas ações de controle do tabagismo. Entre a população masculina, a taxa de mortalidade por câncer de pulmão subiu continuamente desde o início da década de 80, estabilizou-se a partir de meados dos anos 90 e começou a cair em 2005.

Os pesquisadores calcularam a taxa de mortalidade por câncer de pulmão padronizada por idade (parâmetro usado mundialmente) de 1980 a 2017 e estimaram sua evolução até 2040, separadamente, para homens e mulheres.

“O estudo confirma o que já sabíamos: a redução do tabagismo salva vidas. Nosso programa de controle do tabagismo é um êxito, mas precisamos avançar, principalmente nas medidas de prevenção à iniciação do tabagismo entre os jovens”, conclui a chefe da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA e também autora do estudo, Liz Almeida.

A taxa de mortalidade por câncer de pulmão entre os homens sempre foi superior à verificada entre as mulheres. No entanto, como desde 2005 a taxa entre os homens está caindo e a entre as mulheres subindo, as curvas estão se aproximando. A razão entre a mortalidade homem/mulher diminuiu de 3,6 em 1980 para 1,7 em 2017.

O tabagismo é a principal causa para o desenvolvimento do câncer de pulmão, responsável por mais de dois terços das mortes por essa doença no mundo. No Brasil, o câncer de pulmão, que abrange tumores na traqueia, brônquios e pulmões, é o tipo que mais mata homens e o segundo que mais mata mulheres, depois do câncer de mama. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostram que mais de 27 mil pessoas foram a óbito em 2017 devido a essa causa.

Os impactos da diminuição do número de fumantes na redução da mortalidade por câncer de pulmão demoram décadas para serem percebidos, porque um fumante leva de 20 a 30 anos para desenvolver a doença.

Categorias
Saúde Destaque1

Ministério da saúde envia mais de 71 mil doses extras da vacina de sarampo para o Ceará

O Ministério da Saúde começou a enviar nesta semana mais de 71 mil doses extras da vacina tríplice viral ao Ceará. A ação visa garantir a dose extra contra o sarampo em todas as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias. Só para os 13 estados que estão em situação de surto ativo da doença vão ser destinadas 960.907 mil. Ao total, serão cerca de 1,6 milhão. O envio de doses extras da vacina aos estados acontece em decorrência do aumento de casos da doença em alguns estados. De acordo com o novo boletim epidemiológico da doença, o Brasil registrou nos últimos 90 dias, entre 2 de junho a 24 de agosto de 2019, 2.331 casos confirmados de sarampo, em 13 estados. Na última sexta-feira, 23, o Ceará registrou o primeiro caso confirmado de sarampo, segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa). O Estado não apresentava relatos da doença desde 2015, no qual houve um caso em julho daquele ano.

“O Ministério da Saúde está trabalhando para encerrar essa transmissão do vírus do sarampo com a maior rapidez possível, e assim, recuperar o certificado de eliminação do sarampo no Brasil. Para isso, a pasta tem atuado de forma integrada com os estados e municípios, para intensificar as ações de cobertura vacinal na rotina, além das vacinações de reforço nas crianças, que é a faixa etária com maior risco para complicação em decorrência da doença, e de bloqueio”, ressaltou o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

O envio de doses extras da vacina aos estados é uma resposta imediata do Governo Federal em decorrência do aumento de casos da doença em alguns estados. De acordo com o novo boletim epidemiológico da doença, o Brasil registrou, nos últimos 90 dias, entre 02 de junho a 24 de agosto de 2019, 2.331 casos confirmados de sarampo, em 13 estados: São Paulo (2.299), Rio de Janeiro (12), Pernambuco (5), Santa Catarina (4), Distrito Federal (3), Bahia (1), Paraná (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1), Goiás (1) e Piauí (1). Nesses dois últimos, os casos foram registrados em outros estados. O coeficiente de incidência da doença foi de 5% por 100.000 habitantes.

Categorias
Política

Ex-presidentes da Petrobras e do BTG Pactual são alvos de buscas da PF

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira (23/8), a 64ª fase da Operação Lava-Jato. A ex-presidente da Petrobras Graça Foster, o empresário André Esteves, ex-presidente do banco BTG Pactual, são alvos de mandados de busca e apreensão. Eles são investigados pela venda de ativos da Petrobras na África para o banco.
As investigações apontam que o BTG foi favorecido na negociação, em 2013, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. O Ministério Pùblico Federal (MPF) aponta que 50% dos ativos foram vendidos por U$ 1,5 bilhão. No entanto a totalidade do negócio estava avaliada em um valor em torno de US$ 5,6 bilhões e US$ 8,4 bilhões.
Durante o processo, o BTG teria tido acesso a informações sigilosas, que de acordo com as diligências, favoreceram a instituição. Além disso, teria ocorrido restrição de concorrência. O negócio foi aprovado em apenas um dia pela diretoria da Petrobras, e em apenas mais 24 horas pelo conselho da estatal.
Esta fase da operação tem como base informações repassadas pelo ex-ministro Antônio Palocci. Ele relatou que André Esteves teria negociado com o ex-ministro Guido Mantega o repasse de R$ 15 milhões para que o BTG tivesse privilégio em um contrato de sondas do pré-sal da Petrobras.
De acordo com o Ministério Público, “apura-se, ainda, informações contidas em e-mails de Marcelo Odebrecht e prestadas por Palocci no sentido de que a ex-presidente da Petrobras Graça Foster teria conhecimento do esquema de corrupção existente à época na estatal, mas não teria adotado medidas efetivas para apurar tal esquema ou impedir a continuidade do seu funcionamento”.
O procurador da República Deltan Dallagnol afirmou que “esta é mais uma investigação sobre possíveis crimes que têm relação com instituições financeiras. Já houve denúncias apontando crimes relacionados a funcionários do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Paulista e corretoras. A força-tarefa de procuradores e a polícia federal têm explorado todas as linhas investigativas em sua esfera de atribuição”.
Categorias
Cotidiano

Ministério quer triplicar atendimentos do Criança Feliz

O Ministério da Cidadania planeja quase triplicar, até o fim de 2020, o número de atendimentos que o programa Criança Feliz oferece a mulheres grávidas e a crianças de até seis anos de idade. Segundo o ministro Osmar Terra, a meta da pasta é ampliar a quantidade de municípios inscritos no programa e elevar o número de 703.860 atendimentos registrados em julho deste ano para 2 milhões até o fim do próximo ano.

“Já passamos das 700 mil crianças e gestantes acompanhadas em suas casas. E vamos chegar a um milhão de acompanhamentos semanais, em casa, até o fim deste ano [2019]. Para o ano que vem, nossa meta é [atingir] 2 milhões”, declarou Terra ao participar, em Brasília, do 3º Encontro de Coordenadores Estaduais e Multiplicadores do Programa Criança Feliz – Primeira Infância no Sistema Único de Assistência Social.

Segundo a Agência Brasil,durante o evento que reuniu gestores brasileiros e especialistas internacionais para discutir os efeitos da negligência, do afastamento familiar e da vivência em orfanatos e instituições similares em crianças entre zero e seis anos de idade, o ministro disse que o Criança Feliz já é considerado o maior programa de visitação domiciliar para a promoção do desenvolvimento infantil existente em todo o mundo.

Criado em outubro de 2016, no governo de Michel Temer, e alterado em novembro de 2018, o programa integra as áreas da Saúde, Assistência Social, Educação, Justiça, Cultura e Direitos Humanos. Entre os objetivos do Criança Feliz estão apoiar as gestantes e as famílias nos cuidados perinatais; acompanhar o desenvolvimento infantil integral na primeira infância; mediar o acesso da gestante, das crianças na primeira infância e das suas famílias às políticas e serviços públicos de que necessitem e ampliar e fortalecer políticas públicas voltadas para estes públicos.

De acordo com Terra, a meta do governo federal para o programa é ainda mais ambiciosa. “Para o terceiro ano de governo, nós queremos atingir nossa meta final, que é termos todas as crianças inscritas no programa Bolsa Família, de zero a três anos, todas as crianças do Benefício de Prestação Continuada [BPC] até os seis anos de idade e todas as crianças vítimas do Zika vírus que ficaram com microcefalia. Que todas estas crianças estejam sendo atendidas em casa [até o fim de 2021]”, comentou o ministro, garantindo já ter discutido a proposta com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Claro que pode haver algumas exceções, até por dificuldades logísticas, mas vamos tentar chegar a todas. Para isto, precisamos muito da participação dos estados e municípios. É através deles que chegamos à ponta”, destacou Terra, explicando que, até julho, 2.624 dos 5.570 municípios brasileiros já tinham aderido ao programa. Incluindo os mais populosos.

Amparo infantil

Ao falar sobre a importância das crianças receberem os devidos cuidados durante os seis primeiros anos de vida Terra revelou outra meta do governo federal: zerar o número de crianças acolhidas em instituições por terem tido seus direitos violados.

“Nossa meta é chegar no final de 2021 sem nenhuma criança de zero a seis anos institucionalizada no país”, disse o ministro, classificando a proposta como “um desafio enorme”. “Por isto queremos discutir as famílias ampliadas, as famílias acolhedoras, a adoção. Para que todas estas crianças possam ter famílias para acolhê-las, para adotá-las. Este é nosso desafio”, acrescentou Terra.

De acordo com a secretária Nacional de Assistência Social, Mariana Neris, há, no Brasil, cerca de 8.2 mil crianças entre zero e seis anos que, por proteção, estão em instituições como os abrigos. Para especialistas, esta “institucionalização” pode comprometer o desenvolvimento socioafetivo na primeira infância, quando as crianças vivenciam experiências fundamentais para o futuro desenvolvimento de habilidades sociais e competências cognitivas e afetivas.

“Estamos empenhados em trabalhar a substituição deste modelo de acolhimento institicional por acolhimento familiares ou pela guarda na família extensa”, disse a secretária, referindo-se ao conceito introduzido na legislação brasileria pela Lei nº 12.010, de 2009, que alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente ao estabelecer que a família extensa ou ampliada é aquela que se estende para além da unidade formada por pais e filhos, sendo constituída por parentes próximos com os quais as criança ou o adolescente convivam ou mantenham vínculos de afinidade e afetividade.

“Estamos trabalhando com o Conselho Nacional de Justiça para nos ajudar a caminhar por esta trilha e também para evitar que, no futuro, outras crianças permaneçam institucionalizadas. Este é o nosso foco de transformação”, acrescentou Mariana.

Categorias
Cotidiano

Ministério alerta para fraude via WhatsApp sobre 13° do Bolsa Família

Um novo golpe, veiculado por meio de mensagens no aplicativo WhatsApp, promete a liberação instantânea do décimo terceiro salário do Bolsa Família para beneficiários do programa, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira (11) pelo Ministério da Cidadania.

De acordo com o alerta, a mensagem fraudulenta contém um link que redireciona o usuário para uma página onde são solicitados os dados pessoais, como nome completo, CPF e endereço. A mensagem exige ainda que a vítima compartilhe o link com todos os seus contatos para que o pagamento seja efetuado.

O Ministério da Cidadania informou que não solicita dados pessoais via WhatsApp ou o compartilhamento de links como condição para concessão de benefícios do Programa Bolsa Família. De acordo com a diretora do Departamento de Benefícios, Caroline Paranayba, para o recebimento do repasse não é necessário fornecer qualquer informação adicional das famílias.

O ministério esclarece ainda que o governo federal não faz nenhum tipo de coleta de dados por meio das redes sociais e que a atualização de informações de famílias beneficiarias de programas sociais deve ser feita exclusivamente no órgão responsável no município.

Categorias
Saúde Destaque2

Vacinação contra gripe atinge 76% entre crianças e gestantes

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (3) que 4,2 milhões de crianças e gestantes ainda não se vacinaram contra a gripe. De acordo com balanço divulgado pela pasta, a cobertura vacinal está em 76% nos dois grupos e ainda não atingiu a meta 90% de vacinação contra o vírus Influenza. São 3,7 milhões de crianças e 514,5 mil de gestantes que deixaram de se proteger contra a gripe. A partir desta segunda-feira, toda a população pode se vacinar contra a gripe nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além de crianças e gestantes, também estão abaixo da meta de vacinação os trabalhadores da área de saúde, com 80,4%, as pessoas com comorbidade (75,6%), a população privada de liberdade (61,7%) e os profissionais das forças de segurança e salvamento (38,9%).

Segundo o Ministério da Saúde, todos os grupos prioritários ainda podem se vacinar contra a gripe até acabarem os estoques da vacina.

Meta

De acordo com o ministério, entre os grupos que atingiram a meta de 90% estão os funcionários do sistema prisional (105,7%), as puérperas, que são as mulheres com até 45 dias após o parto (96,6%), professores (93,8%), indígenas (92,2%) e idosos (90,4%).

“A escolha do público prioritário no Brasil segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), por serem grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. A vacina é a forma mais eficaz de evitar a doença”, informou o ministério.

Entre os estados, oito conseguiram bater a meta de 90%: Amazonas (100,1%); Amapá (99,3%); Pernambuco (95%); Espírito Santo (93,6%); Rondônia (94%); Maranhão (93,5%); Rio Grande do Norte (92,3%) e Alagoas (93,4%). O balanço nacional da campanha ficou em 81,1% de cobertura.

O estado com mais baixo índice de cobertura é o Rio de Janeiro, com 66,33%, seguido por São Paulo, com 73,78%.

De acordo com o Ministério da Saúde, neste ano, até 11 de maio, foram registrados 807 casos de síndrome respiratória aguda grave por influenza em todo o país, com 144 mortes. Até o momento, o subtipo predominante de gripe no país é o vírus Influenza A (H1N1) pdm09, com 407 casos e 86 óbitos.

Segundo a pasta da Saúde, já foram disponibilizadas 9,5 milhões de unidades da vacina para o atendimento da população neste ano. O tratamento deve ser feito, preferencialmente, nas primeiras 48 horas após o aparecimento dos sintomas.

Categorias
Saúde

Ministério da Saúde entrega 419 novas ambulâncias do SAMU 192

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) passa a cobrir, a partir desta segunda-feira (27), 84,6% da população brasileira e a alcançar 173,8 milhões de pessoas em todo o país. O aumento é possível devido ao reforço dado pelo Ministério da Saúde com a doação de 419 novas ambulâncias, que geraram um investimento de R$ 79,5 milhões.

A medida renova parte da frota que já está em funcionamento e expande o atendimento a 66 novos municípios, que passam dos atuais 3.606 para 3.672. A entrega das novas ambulâncias para gestores de várias partes do país foi feita pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante cerimônia em Sorocaba (SP).

Com a entrega das novas ambulâncias, os serviços de saúde de urgência e emergência melhoram as condições de socorro imediato nas localidades beneficiadas. Ao todo, são 238 municípios brasileiros de 22 estados que passam a contar com o reforço do SAMU 192. Dos 419 veículos, 298 são para renovação de frota e 121 ambulâncias para ampliação, expansão e implantação do serviço.

SAMU 192

O objetivo do SAMU 192, que funciona 24h por dia, é socorrer rapidamente pacientes com necessidade de serem levados a unidades que prestam serviços de urgência ou emergência, como hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), para atendimentos clínicos, cirúrgicos, obstétricos, entre outros, evitando sofrimento, sequelas ou mesmo a morte.

O acionamento do SAMU se dá pela ligação gratuita à Central de Regulação de Urgências, pelo número 192. A partir do atendimento, as equipes formadas por médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e condutores socorristas são destacados para prestar o atendimento.

Veja a lista de distribuição das ambulâncias por município.

Categorias
Política Nacional

Guedes afirma que renunciará ao cargo se Reforma da Previdência não for aprovada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que estará fora do governo caso a Reforma da Previdência proposta pelo governo não seja aprovada. A fala foi dita em uma entrevista publicada pela revista Veja nesta sexta-feira (24).

Pego um avião e vou morar lá fora. Já tenho idade para me aposentar”, disse ele, segundo a reportagem. “Se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo. Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos estados e municípios”.

Segunda a revista Veja, Guedes afirmou que o presidente Jair Bolsonaro está plenamente empenhado em aprovar a reforma nos moldes em que o projeto foi enviado pelo governo ao Congresso, com expectativa de economia de até R$ 1,2 trilhão nos próximos dez anos.

“Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’. Se só eu quero a reforma, vou embora para casa”, disse Guedes na entrevista.

O ministro reafirmou sua confiança nas convicções de Bolsonaro, e acredita em uma união política em torno da agenda econômica do governo. “Eu confio na confiança que o presidente tem em mim.”

Esta não é a primeira vez que Guedes indica que pode deixar o ministério, caso o plano econômico não tenha maior prioridade. Em março, o ministro afirmou não ter apego ao cargo, durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Categorias
Política Nacional Destaque3

Câmara aprova MP 870, mas impõe derrota a Moro e retira Coaf da Justiça

O Plenário aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 870/19, que reformula a estrutura de ministérios do governo Bolsonaro. Editada em janeiro, a MP reduziu de 29 para 22 o número de ministérios.

As principais polêmicas do texto aprovado na comissão mista são a volta do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o Ministério da Economia e da demarcação de terras indígenas para o Ministério da Justiça junto ao Incra.

Em relação à recriação de dois ministérios fundidos (Cidades e Integração Nacional), há acordo na maior parte dos partidos da base governista para mantê-los no Ministério do Desenvolvimento Regional, revertendo a mudança proposta pelo projeto de lei de conversão do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

O primeiro destaque em análise é do Psol e pretende aprovar emenda da deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) para recriar o Ministério da Cultura.

Categorias
Política Nacional

Ministério do Meio Ambiente bloqueia 11,8 milhões destinados às políticas de mudanças climáticas

O Ministério do Meio Ambiente anunciou a restrição de 95% dos fundos que tinham sido destinados para a implementação de políticas sobre mudanças climáticas no Brasil. O valor inicial destinado para o tema no ministério era de R$ 11,8 milhões.

O setor econômico do governo definiu um corte total de R$ 187,4 milhões à pasta. A quantia é equivalente a 22,7% do total de orçamento discricionário do ministério, aproximadamente R$ 825 milhões. O presidente Jair Bolsonaro já havia se mostrado contrário às políticas voltadas para sustentabilidade e meio ambiente, chegando até mesmo a defender que o Brasil fosse retirado do Acordo de Paris.

Outras ações que sofrerão com os cortes da pasta são: o apoio à implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que teve uma diminuição de verba de R$ 6,4 milhões (78,4%); a prevenção e controle de incêndios florestais, referente a R$ 17,5 milhões (38,4%); a ação de licenciamento ambiental federal, de R$ 7,8 milhões (42%); e o programa de apoio à criação de unidades de conservação, que perdeu R$ 45 milhões (25%).

As restriçoes acontecem um dia após a divulgação do relatório da Organização das Nações Unidas, informando que cerca de 1 milhão de espécies vivas na Terra, correm risco de extinção devido às mudanças climáticas que atingem o planeta.