Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Após uma longa reunião na noite desse domingo com os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMB), e da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), e os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, o presidente Michel Temer deve oficializar, nesta segunda-feira que as contas públicas deste e do próximo ano fecharão no vermelho em R$ 159,5 bilhões. Esse foi o valor do rombo registrado em 2016, mas a equipe econômica trabalhava com metas menores de déficit para 2017 (R$ 139 bilhões) e 2018 (R$ 129 bilhões).

Ao sair do encontro e conversar com jornalistas, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, o Governo Federal anunciará que Parte inferior do formulário

as metas dos dois anos serão ampliadas para o mesmo patamar do rombo de 2016, mas que não haverá aumento de impostos. “Desde quinta venho fazendo ponderações sobre criação de novos impostos ou ampliação dos existentes. A reunião de quinta foi suspensa em função dessas ponderações. Hoje conseguimos que ficasse apenas na mudança da meta”, afirmou Eunício.

Com dificuldade cada vez maior para obter receitas, a discussão sobre a mudança nas metas fiscais deste e do próximo ano se intensificou nos últimos dias. O tema despertou embates dentro do próprio governo, entre quem defende a austeridade e quem quer afrouxar os gastos para atender a demandas do Congresso Nacional. Articuladores políticos admitem nos bastidores que o que está na mesa agora já é a fatura de votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer – que sequer foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

A equipe econômica já tinha estabelecido como teto para a revisão de 2017 o déficit obtido no ano passado, de R$ 159,5 bilhões. Para 2018, o governo trabalhva para que o rombo passesse de R$ 129 ilhões para R$ 149 bilhões, mantendo a perspectiva de redução do déficit de um ano para o outro. Mas, pelo relato da reunião, este objetivo não será colocado em prática e o déficit deve fiqcar em patamar igual em ambos os anos, ou seja, em R$ 159,5 bilhões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp