Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A tuberculose é uma doença considerada um problema prioritário de saúde pública. Por ser uma patologia de transmissão direta, de pessoa para pessoa, é fundamental que o diagnóstico seja feito precocemente para que o tratamento seja iniciado o mais rápido possível. Para ampliar o serviço de diagnóstico e fortalecer a importância do tratamento, a partir deste mês, o teste rápido de tuberculose funcionará em mais três unidades da rede pública: duas do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), do Governo do Ceará, sendo uma em Fortaleza, que já iniciou na segunda-feira, 12, e outra em Juazeiro do Norte, e uma no Hospital Municipal João Elísio de Holanda, do município de Maracanaú. Estes dois últimos estão em fase final de implantação.

O Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará foi habilitado pelo Ministério da Saúde para coordenar a realização do teste rápido de tuberculose em novembro de 2014. O teste é feito através do equipamento GeneXpert, que permite a emissão de laudos laboratoriais para tuberculose em apenas duas horas. A triagem das unidades habilitadas para a realização do exame por meio do GeneXpert é feita pelo Ministério da Saúde. “A escolha dos órgãos segue as diretrizes do Programa Nacional de Combate à Tuberculose (PNCT), com base no número de baciloscopias feitas nos municípios. O Estado conta hoje com 11 equipamentos”, esclarece Daisy Meireles Arruda, farmacêutica do Lacen e coordenadora estadual do PNCT.

O diagnóstico da tuberculose pode ser feito através da baciloscopia do escarro, um exame simples, realizado nas unidades básicas de saúde. O processo todo, desde a chegada ao laboratório até a emissão do laudo, demora entre 24 e 48 horas. “Todas as baciloscopias feitas na atenção primária, com laudos positivos, são encaminhadas ao Lacen para a realização de cultura e testes de sensibilidade”, fala Daisy. O laboratório, que é referência no Estado, fez no ano passado 4.424 exames. Desse total, foram 3.678 culturas, 567 testes de sensibilidade, 76 análises para pacientes resistentes e 103 baciloscopias.

Cada exame tem uma importância. “A baciloscopia é o método prioritário, que permite identificar o doente bacilífero. O exame é oferecido nas unidades primárias de saúde. Os exames de cultura são indicados para pacientes com suspeita de tuberculose pulmonar e negativos à baciloscopia. Já os testes de sensibilidade analisam a resistência da bactéria que podem ficar relutantes à medicação, prejudicando o tratamento e cura do paciente”, ressalta a farmacêutica.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp