Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O número de trotes recebidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192 Ceará) já é maior que o de ligações para realização de socorro e regulação médica. Entre janeiro e maio deste ano, das 65 mil ligações para o SAMU 192 Ceará, excluídos pedidos de informação, 30.424 se tratavam de trotes, 46,8% do total, e 26.210, ou 40,3%, foram chamadas efetivas para regulação médica. Somadas aos 4.533 enganos, as chamadas improdutivas somam 34.957, o correspondente a 53,8% do total. É mais que as chamadas efetivas para regulação e transferências reguladas ou não, que somam 30.043 ligações, ou 46,2%.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Educação Permanente (NEP), Rogério Pinto Giesta, os telefonistas do SAMU 192 Ceará são treinados para identificar trotes e a maioria dessas chamadas é reconhecida. “Os telefonistas são treinados para formular perguntas específicas que ajudam a identificar o trote, mas que também acabam atrasando algumas chamadas efetivas”, admite Rogério Giesta. Mas mesmo com o treinamento, ele diz que pelo menos uma viatura é deslocada diariamente para o atendimento a uma chamada que se revela trote. “Isso pode eventualmente atrasar o atendimento a uma pessoa que realmente precisa de socorro rápido”, lamenta o coordenador do NEP.

Relação de ligações para o SAMU 192 Ceará | janeiro a maio de 2017

Em 2016, o SAMU fez um total de 51.573 atendimentos no Ceará, o que representa 4.297 atendimentos por mês. O serviço do SAMU funciona 24 horas por dia com equipes multiprofissionais de saúde, formada por médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e socorristas, que prestam o socorro em qualquer lugar, seja ele privado (residências, locais de trabalho etc) ou público (vias públicas), após chamada gratuita, feita através do 192. A cobertura do SAMU 192 Ceará abrange 129 municípios, com população de 4.766.311 habitantes.

Quando o SAMU recebe a ligação, um médico regulador faz o diagnóstico da situação e inicia o atendimento no mesmo instante, orientando o paciente ou a pessoa que fez a chamada sobre as primeiras ações que podem ser tomadas, como a prestação dos primeiros socorros ou a imobilização das vítimas, dependendo da gravidade do caso. Em casos graves, o paciente é transferido de uma ambulância com UTI. O médico comunica a urgência ou emergência aos hospitais públicos ou Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24hs) e assim garante atendimento rápido com menos riscos de sequelas e redução de óbitos ao socorro precoce.

O serviço realiza atendimentos de naturezas diversas, como a vítimas de acidentes de trânsito, de ferimentos por arma de fogo e armas brancas, quedas, choque elétrico, afogamento e intoxicação. Atende, ainda, pacientes vítimas de infarto agudo do miocárdio, de AVC (Acidente Vascular Cerebral) e crises convulsivas e realiza atendimento pré-hospitalar de pacientes com insuficiência cardíaca e crise diabética. Também é acionado para a realização de atendimento de casos gineco-obstétricos, como trabalho de parto e aborto; atua no atendimento médico de urgências psiquiátricas; efetua transferências hospitalares de pacientes graves que necessitam de remoção em UTI móvel entre os municípios.

Com informação da Prefeitura Municipal de Fortaleza

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp