Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Dezessete policiais militares que estavam presos acusados de participação na chacina da Messejana, que ocasionou na morte de 11 pessoas em Fortaleza em 2015, deixaram nesta quinta-feira (1º) as celas onde estavam detidos preventivamente. No total, 11 policiais foram presos. A Justiça decidiu que 33 policiais vão à júri popular. Durante a fase de depoimento das testemunhas, não foram apontadas provas contra 11 deles.

Segundo a Justiça, os policiais estavam mantidos presos para evitar intimidação dos familiares das vítimas e de sobreviventes ou tentativa de atrapalhar as investigações durante a etapa em que as autoridades ouviam os depoimentos.

Os acusados serão julgados pelos crimes de homicídio por omissão imprópria (em relação a 11 vítimas mortas) e tentativa de homicídio por omissão imprópria (em relação às três vítimas sobreviventes). Os acusados, deverão também responder por tortura física em relação a outras três vítimas e tortura psicológica em relação a uma.

A chacina da Messejana

Em novembro de 2015, no bairro Messejana, em Fortaleza, 11 pessoas foram mortas e sete vítimas de crimes distintos. A denúncia foi oferecida pelo MPCE contra 45 policiais militares. Logo que o edital de formação do Colegiado foi publicado, a denúncia foi recebida em relação a 44 deles e em seguida decretada a prisão preventiva dos envolvidos.

Considerada a maior da história do Ceará, a chamada chacina de Messejana teria sido uma vingança pela morte do soldado da Polícia Militar Valtemberg Chaves Serpa, assassinado horas antes ao proteger a mulher em uma tentativa de assalto. Os homicídios foram registrados em um intervalo de aproximadamente quatro horas, em ruas dos bairros Curió, Alagadiço Novo e São Miguel, na Grande Messejana.

Com informações G1-CE