Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A retomada das agendas de rua, nesse fim de semana, pelos principais candidatos à Presidência da República nas eleições 2018 seguiu o script desenhado pelas campanhas, após o atentado contra Jair Bolsonaro, candidato do PSL ao Palácio do Planalto. Os presidenciáveis têm evitado fazer qualquer crítica a Bolsonaro e centram seus discursos em propostas para o País e apelos por um esforço conciliatório. Com isso, os candidatos querem evitar que a vitimização beneficie o candidato do PSL.

O fato é que todos os candidatos forçosamente tiveram que repensar a estratégia eleitoral. Alguns já mudaram o tom das críticas ou mesmo o alvo de seus ataques. Mais ainda é difícil antecipar como o eleitorado vai se posicionar diante da comoção gerada pelo atentado ao líder das pesquisas.

O posto de vítima, um dia atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato, deverá agora ser vinculado ao presidenciável do PSL. Com isso, as chances de Bolsonaro podem aumentar. Resta agora esperar a próxima pesquisa de intenções de votos para avaliar melhor esse novo momento eleitoral.