Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Véspera de decisão na política! O ex-senador e líder do MBD no Ceará, Eunício Oliveira, chega ao estado para tomar uma posição definitiva sobre as eleições municipais de 2020. Cobiçado por diversas siglas, o partido recebeu muitos convites para integrar chapas que disputarão a prefeitura de Fortaleza no presente ano, contudo, não acertou acordo com nenhum. O assunto foi destaque no Bate-Papo político entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida nesta quinta-feira (10).

Procurado pela deputada federal e pré-candidata Luizianne Lins (PT), também pelo já candidato Capitão Wagner (PRO) e pelo Solidariedade, que endossa a pré-candidatura do deputado Heitor Férrer, Eunício Oliveira avalia as opções, tendo ainda a possibilidade de viabilizar uma candidatura própria, embora seja este o caminho mais remoto de todos. Além disso, Eunício tem tido conversas com o governando Camilo Santana a fim de conseguir seu apoio para o PDT.

Beto Almeida a fala do senador que disse ser improvável uma aliança com o PDT, devido aos resquícios que ainda existem das eleições de 2018, quando Eunício foi derrotado na disputa pelo senado. O líder do MDB culpa o atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, pelo baixo número de votos, sobretudo, na capital cearense. “O senador disse que vem pra negociar, vem pra colocar exatamente essas articulações no jogo e principalmente ele usou o termo, fumaça sai entre amanhã, sexta-feira, no máximo sábado”, pontua Beto.

Luzenor de Oliveira destaca que o senador usou a palavra “improvável” e não impossível, o que torna real a possibilidade de conversa com todas as siglas. “Se Roberto Claudio está saindo, terminando o ciclo de oito anos e depois vai se questionar sobre qual a herança que o Roberto vai deixar para a cidade, talvez nessas conversas entre Eunício Oliveira e o governador Camilo Santana, ainda surja a possibilidade do MDB se integrar a esta aliança puxada pelo PDT e por outras siglas”, afirma Luzenor.

Em sua fala, Beto Almeida destaca que o cenário de indefinição permeia todos os partidos. O PT mudou a data de sua convenção para o dia 16 de setembro, tendo em vista a liberação de eventos com 100 pessoas no dia 14 de setembro, o que favorece o partido, que ainda desfruta de um tempo maior para realizar negociações. “De fato, o PT está sim articulando e procurando negociar como será essa sua composição, principalmente que a Luizianne ainda não decidiu quem será a vice dela”, diz Beto.

Por fim, Luzenor pontua as conversas que o PSDB e o DEM que voltaram a acontecer, mas ainda sem qualquer definição. O PSDB tem como pré-candidato o ex-deputado estadual Carlos Matos, que insiste em se viabilizar como candidato, principalmente após contar com apoio de quase a totalidade dos pré-candidatos à vereança da capital.

Soma-se a esse cenário o PDT, partido do atual prefeito Roberto Cláudio, que irá definir seu candidato na convenção partidária que está prevista para o próximo sábado. A sigla conta com cinco nomes na disputa, José Sarto, Idilvan Alencar, Samuel Dias, Ferrúcio Feitosa e Salmito Filho. “A expectativa é que o nome saia dessa lista”, finaliza Luzenor.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp