Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A pesquisa estimulada feita pelo Ibope/CNI divulgada nesta quarta-feira (26) traz Jair Bolsonaro com 27% das intenções de votos, seguindo por Fernando Haddad, com 21%. Bem atrás aparece o candidato do PDT, Ciro Gomes, com 12% das menções, empatado tecnicamente no limite da margem de erro da pesquisa (mais ou menos 2 pontos percentuais) com Geraldo Alckimin, do PSDB, que tem 8%. Já Marina Silva, da REDE, aparece com 6% das intenções de voto, tecnicamente empatada com o peessedebista.

João Amoêdo (Partido Novo) por sua vez, tem 3% das intenções e se encontra empatado na margem de erro com Marina Silva. Henrique Meirelles, do MDB, e Álvaro Dias, do Podemos, recebem, cada um, 2% das respostas. Guilherme Boulos, do PSOL, aparece com 1%, sendo que esses candidatos estão tecnicamente empatados.

Cabe ressaltar a queda no percentual de eleitores com intenção de votar branco ou anular o voto em relação ao verificado em junho de 2018. Naquele mês, na pergunta estimulada sem Lula, eram 33%, percentual mais que três vezes maior que o percentual médio, nos meses de junho, das últimas quatro eleições presidenciais. Na pesquisa atual, o percentual de brancos e nulos é de 11%, pouco acima dos 8% apurados na pesquisa de intenção de voto de setembro de 2014.

No que diz respeito aos indecisos, aqueles que não sabem ou não respondem a pergunta, também não há diferença significativa na comparação com o mesmo período da eleição de 2014. Na pesquisa atual, 7% se mostram indecisos, enquanto em setembro de 2014 esse percentual era de 5%.

Na pergunta espontânea, sem que sejam apresentados os nomes dos candidatos, os dois primeiros colocados se mantêm, Jair Bolsonaro (PSL) é escolhido por 24% dos eleitores. Em seguida, Fernando Haddad (PT) aparece com 15%.

Nenhum candidato ganharia no primeiro turno

Se a eleição fosse agora, nenhum candidato atingiria mais de 50% dos votos válidos no primeiro turno, ou seja, a eleição seria decidida em segundo turno. Nesse caso, no primeiro turno, Jair Bolsonaro teria 33% dos votos válidos e Fernando Haddad, 25%.

Para calcular os votos válidos, descartam-se as intenções de votar em branco ou anular o voto, bem como os que não souberam ou não quiseram responder em qual candidato votariam na pergunta estimulada.

COM INFORMAÇÕES DA CNI