Foto: reprodução/TV Senado

Em sua volta ao Senado após passar 4 meses licenciado do mandato, Tasso Jereissati (PSDB), defendeu, nesta terça-feira, 8, uma posição ‘clara' e ‘firme', em relação ao conflito no leste Europeu envolvendo Rússia e Ucrânia.

“O mundo está retrocedendo de uma maneira lamentável e perigosa. O Brasil precisa demonstrar uma posição muito clara e firme em relação à guerra que estamos vivenciando”, disse o tucano, em discurso proferido na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Para Tasso, as cenas transmitidas pela noticiário chocam e comparou a situação atual ao dos movimentos prévios da segunda guerra Mundial, onde, o, na época ditador da Alemanha Nazista, Adolf Hitler, decidiu anexar o território da então Tchecoslováquia (atualmente divididas em República Tcheca e Eslováquia), sob alegações de que havia alemães em algumas regiões daquele país, que estariam sendo “maltratados”.

Uma das alegações utilizadas por Putin para justificar ao que chama de “operação militar especial” dentro do território ucraniano, é a presença de russos no país vizinho.

A questão dos fertilizantes, justificativa dada pelo governo Bolsonaro, para não tomar uma posição contra os interesses da Rússia no conflito, deve, segundo o senador cearense, ser deixado de lado, em nome da “civilização”.