Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Comunidades Tapebas de Caucaia estão mobilizadas para defenderem uma área onde hoje estão acampadas 67 famílias indígenas ameaçadas de expulsão pela justiça. O proprietário do terreno entrou com pedido de reintegração de posse, mas segundo a Funai trata-se de uma aérea de litígio estando inserida no processo de demarcação de terras indígenas
no município.

A esperança para evitar o confronto seria a publicação da Portaria Declaratória da Terra Indígena Tapeba que encontra- se no Ministério da Justiça, antes do dia 13 de fevereiro. A Associação dos Índios Tapebas de Caucaia protocolou junto a Funai, em Fortaleza, pedido de audiência no dia 20 de dezembro de 2016, mas até agora nenhuma resposta.

O presidente da associação, vereador e advogado Weiber Tapeba, acredita que vá haver
confronto no próximo dia 13 de fevereiro, uma vez que as famílias não têm para onde ir e, principalmente, por tratar-se de uma terra que, por direito, pertence a eles.

O prazo dado pela Justiça Federal no Ceará para que as famílias deixe a área é dia 13 de fevereiro.

Segundo o presidente da associação já neste dia as comunidades Tapebas estarão acampadas no local para evitar a expulsão. Weiber acha muito pouco provável que a publicação da portaria seja feita em tempo hábil,  uma vez que o Ministério da Justiça está às voltas com o grande problema dos presídios.

A área Tapeba em Caucaia, compreendendo 5.800 ha, é objeto de regularização  há mais de 30 anos. Os estudos para identificar e delimitar a terra tiveram  inicio em 1985. De lá para cá muitos entraves e retrocessos aos direitos territoriais indígenas provocam indignação. Para Weiber, as instituições são omissas em garantir os direitos desses povos no Brasil.

Jornal Grande Porto