Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O atual secretário de Educação de Morada Nova, Edilson Santiago de Oliveira, e o ex-secretário de Educação e atual secretário de Infraestrutura, José Marcondes Nobre de Oliveira, foram afastados das funções por determinação da Justiça. A decisão, proferida nessa segunda-feira (27), é do juiz Raynes Viana de Vasconcelos, da 2ª Vara da Comarca de Morada Nova. O magistrado também determinou a rescisão de todos os contratos celebrados para prestação de serviços temporários da Secretaria Municipal de Educação.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), desde o início de 2017, o município teria admitido, sem concurso público, vários profissionais para desempenhar funções de educação básica, inclusive para o atendimento de necessidades permanentes. As contratações teriam sido sistematicamente renovadas, mesmo na vigência de cadastro de reserva de aprovados em concurso público para os cargos.

O MPCE requisitou informações ao órgão público e recebeu relatórios que posteriormente se mostraram falsificados. Além disso, o município teria excedido o limite legal de gastos com pessoal naquele ano, tendo se utilizado de artifícios para disfarçar tal situação.

Em razão disso, o Ministério Público requereu a condenação dos envolvidos por improbidade administrativa. Em sede de liminar, pleiteou a rescisão dos contratos e a proibição de novas contratações temporários para convocar imediatamente os aprovados em concurso público. Solicitou, também, o afastamento das respectivas funções do secretário de educação e do ordenador de despesa da pasta.

Ao apreciar o caso (nº 493-12.2018.8.06.0128), o juiz determinou, por meio de liminar, o imediato afastamento dos dois servidores; a rescisão, no prazo de 30 dias, de todos os contratos celebrados para a prestação de serviços temporários na Secretaria Municipal de Educação; proibiu a celebração de qualquer novo contrato para a prestação de serviços temporários no âmbito do Poder Executivo e a apresentação da relação atualizada de todos os servidores contratados para a prestação de serviços temporários, com cópia dos respectivos contratos e justificativa das contratações.

Na decisão, o magistrado destacou que a documentação apresentada evidencia a renovação sucessiva das contratações efetivadas, tornando-as, portanto, ilícitas. “A inserção de informações falsas em documentos públicos, ainda mais com o fito de induzir a erro o Ministério Público em sua função investigatória é medida de extrema gravidade e reprovabilidade, tanto mais quando praticada por secretário municipal, autoridade dotada de extensos poderes de gestão, com influência sobre relevante orçamento público e diversos servidores”, disse o magistrado.

Ainda segundo o juiz, “mesmo tendo as contratações sido efetivadas por autoridades diversas do prefeito municipal, é difícil se crer que assunto tão sensível da Administração era tratado sem o seu conhecimento ou em desacordo om suas orientações. Ainda que o fosse, sua falta decorreria de omissão na fiscalização dos atos de seus subordinados em área, como já posto, sensível”.

 

 

Com informação do TJCE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp