Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A GUERRA DO LIXO EM CAUCAIA, como registrou esta coluna, na última edição do Grande Porto, está aberta e mexe com cifras astronômicas. Em 8 anos de Washington Gois, foram R$ 118 milhões destinados aos serviços de recolhimento do lixo. A variação de valores, a cada ano, desperta curiosidade e ganha holofotes com a contratação, por dispensa de licitação, da empresa Braslimp, mesmo a Prefeitura tendo um contrato em vigência com a Marquise. A discussão sobre o destino de lixo, que é um verdadeiro luxo em termos de valores, chega à Câmara Municipal, caminha nos corredores do Ministério Público Estadual e, pelo jeito, chegará à Justiça.

Silêncio AS INFORMAÇÕES NOS BASTIDORES da Câmaras de Vereadores de Caucaia indicam que, independente do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) se pronunciar ou pedir informações à Prefeitura sobre o decreto de emergência que permitiu a contratação da Braslimp, o Ministério Público Estadual quer conhecer o processo para dispensa de licitação. A briga está apenas no começo.

Desconfiança O PREFEITO NAUMI AMORIM fez questão de ser fotografo ao lado do ex-prefeito José Gerardo Arruda para mostrar uma possível harmonia entre ambos. A realidade, porém, é outra. O clima de tensão se retrata na foto em que Naumi aparece sorridente e Zé Gerrardo carrancudo. Bloco da oposição TRÊS SIGLAS – PMDB, PMB E PSD, se unem e costuram uma ampla aliança que começa na Assembleia Legislativa a caminho de 2018. Há três meses, PMB e PSD eram da base do Governador Camilo Santana. Hoje, os rumos mudaram e, agora, as duas siglas formam com o PMDB um bloco de oposição integrado por 11 deputados estaduais. Eis um componente para a distância entre Camilo e Naumi Amorim.

Transporte escolar O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO (TCE) fiscaliza, com rigor, o uso indevido do transporte escolar (ônibus amarelo) adquirido pelos Municípios em parceria com o Governo do Estado. O conselheiro Valdomiro Távora, do TCE, tem sido porta voz de uma fiscalização rigorosa que terminou, em 2016, com 110 notificações e R$ 150 mil em multas para gestores municipais que permitiram o uso indevido do transporte escolar.