Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os trabalhadores cearenses aguardam com ansiedade pela definição do governo federal acerca dos valores das duas novas parcelas do auxílio emergencial que devem ser oficializadas. Enquanto os parlamentares querem manter o benefício no valor de R$ 600 reais, o governo quer reduzir para R$ 300 reais. A divergência acerca dessa definição foi posta em discussão dentro do Bate-Papo político desta segunda-feira, 08.

“Seja qual for o valor, já há uma certeza, o auxílio emergencial será prorrogado por pelo menos mais duas parcelas”, diz Luzenor que afirma que a União já prepara os cálculos para avaliar os gastos com a extensão do beneficio no valor de 300 reais, no entanto, os deputados se articulam para defender a manutenção do valor de 600 reais para estimular o consumo e aquecer a economia.

Para Beto Almeida, o grande embate se dará em torno do valor do benefício do auxilio emergencial sendo prolongado pelos dois próximos meses. Ele pontua que o presidente Jair Bolsonaro já afirmou que serão mais duas parcelas no valor de 300 reais cada, mas que entidades e parlamentares estão trabalhando em conjunto para defender a conservação do valor atual.

Beto defende a permanência do mesmo valor para os próximos dois meses com a justificativa de que a economia precisa continuar sendo movimentada através do consumo. Ele finaliza afirmando que não há como negligenciar a ajuda aos trabalhadores neste período: “O governo sabe que passada virá o rescaldo, e não dá pra simplesmente largar essa população informal de uma pra outra, sem esse auxílio”

Reabertura da economia

A semana tem início no estado com a reabertura de novos setores da economia que já podem voltar com parte de suas atividades. Luzenor de Oliveira destaca que neste nova fase é fundamental manter as atividades essenciais, pois “a doença não foi embora e o vírus ainda está circulando”. Por isso, é tão necessário manter os cuidadores e não negligenciar atitudes importantes para impedimento do avanço da doença.

Beto Almeida declara que é necessário haver muita cautela no retorno dessas atividades. Ele cita como exemplo o caso dos shoopings que retomam suas atividades com apenas 30% da ocupação e precisam adotar medidas rígidas para evitar contaminação num ambiente fechado e que pode acabar trazendo aglomerações.

Por fim, Luzenor suscita a informação de que ao passo que a pandemia avança, outras endemias também a acompanham e assolam a população. Nessa perspectiva, ele diz que as autoridades não podem negligenciar e as pessoas precisam ficar cada vez mais atentas para não acabaram sendo infectadas por essas doenças.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp