Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma reportagem do Jornal O Estado de São, edição desta quarta-feira, aponta que os deputados e senadores que devem à União R$ 532,9 milhões serão os responsáveis pela aprovação do texto do novo Refis – programa de parcelamento de débitos tributários e previdenciários concedido com descontos generosos de juros e multas.

Dos parlamentares citados na reportagem, o deputado Adail Carneiro (PP) é citado como o detentor de maior volume de dívidas com a União – R$ 11.009.706,00. De acordo com a reportagem, o governo enviou uma proposta ao Congresso, em janeiro, com a expectativa de arrecadar R$ 13,3 bilhões este ano, mas a medida foi alterada pelos parlamentares, derrubando a arrecadação para R$ 420 milhões. A nova versão pretende perdoar 73% da dívida a ser negociada.

Segundo, ainda, a reportagem, ‘’os dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), responsável pela gestão da dívida ativa, foram obtidos pelo Estadão/Broadcast por meio da Lei de Acesso à Informação’’. O valor inclui dívidas inscritas nos CPFs dos parlamentares, débitos nos quais eles são corresponsáveis ou fiadores e o endividamento de empresas das quais são sócios ou diretores.

Os R$ 532,9 milhões em dívida dos parlamentares consideram apenas as dívidas em aberto, ou seja, o endividamento classificado como “irregular” pela PGFN. Isso porque deputados e senadores já foram beneficiados por parcelamentos passados. O total de débitos ligados a deputados e senadores inscritos em Refis anteriores – ou seja, que estão sendo pagos e se encontram em situação “regular” – é de R$ 299 milhões.

Reportagem na íntegra em www.estadao.com.br .