Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A quarta-feira está sendo marcada pelas especulações e pelos desdobramentos nos bastidores políticos da investida do presidente Michel Temer para neutralizar o fortalecimento da bancada do DEM e atrair, para o PMDB, parlamentares dissidentes do PSB. No meio da movimentação, um cearense: o deputado federal Danilo Forte (PSB).

Danilo tem ligações histórias com o presidente Michel Temer e bom diálogo com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, que o convidou para se filiar ao DEM. A interlocução com o Palácio do Planalto o levou a articular o encontro de Temer, nessa terça-feira, com a deputada federal Tereza Cristina, líder da bancada do PSB. Tereza, a exemplo de Danilo, ficou como dissidente na bancada socialista. O apoio ao Governo Federal lhe custou o comando do PSB no Ceará.

Em uma tentativa de minimizar mal-estar entre Maia e Temer, em razão do PSB, ministros e interlocutores de Temer no Congresso Nacional reafirmaram que os dois discutiram sobre esse tema em jantar na noite dessa terça-feira na residência oficial do presidente da Câmara Federal.

“Essa conversa nem sequer foi tocada, porque não existiu nenhuma iniciativa do presidente Temer com relação à filiação partidária. Não cabe ao presidente Temer tratar desse assunto. Isso é uma questão de natureza dos presidentes partidários”, afirmou o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, que é do PSDB. “Foi uma conversa entre bons amigos e homens públicos exemplares.”

Segundo o tucano, no jantar, eles trataram da pauta de votações no Congresso no segundo semestre, entre elas a reforma da Previdência. Ele afirmou que o governo vai fazer avaliações sobre o texto aprovado pela comissão especial da Casa. Ele afirmou que o Palácio do Planalto “ainda não tem essa posição” sobre votar uma reforma mais enxuta, apenas com a elevação da idade mínima, como defendeu o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).

Além de Imbassahy, Aguinaldo e Maia, participaram do jantar os ministros Bruno Araújo (Cidades), do PSDB, e Mendonça Filho (Educação), do DEM. O encontro foi articulado para tentar desfazer o atrito que ocorreu mais cedo entre Maia e Temer em razão das negociações feitas pelos dois para atrair dissidentes do PSB para seus respectivos partidos.

Aliado de Maia, o ministro da Educação afirmou que está “tudo tranquilo e resolvido”. Segundo Mendonça, a questão do mal-estar foi “superada ao longo do dia”. “Para o Rodrigo, o assunto está superado e para o presidente Temer também. Ninguém ficou remoendo essa questão”, disse o ministro em entrevista ao Estadão/Broadcast após o jantar.

Mendonça afirmou que o clima no encontro foi “ameno e harmônico”, com vários convidados, permitindo que a conversa “fosse mais descontraída”. O ministro disse ainda que Temer e Maia estão focados na agenda de interesse do Brasil e que a relação partidária e pessoal está “absolutamente harmonizada”.

Convites. Em café da manhã fora da agenda oficial nesta terça-feira no apartamento da líder do PSB na Câmara, deputada Tereza Cristina (MS), Temer fez um convite a parlamentares do PSB descontentes com a direção do partido para que ingressem no PMDB. O convite, porém, acabou criando um novo atrito com o presidente da Câmara, também interessado em atrair para o DEM alguns parlamentares pessebistas.