Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Instituir um procedimento menos burocrático para a renegociação do crédito rural é o objetivo de projeto na pauta da reunião da próxima terça-feira (9) da Comissão de Assuntos Econômicos. Já aprovado pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária, o Projeto de Lei do Senado 354/2014 estabelece regras para que agricultores que contraíram empréstimos e estejam inadimplentes possam renegociá-los de forma mais ágil e diretamente com instituições financeiras que integram o Sistema Nacional de Crédito Rural.

A autora, senadora Ana Amélia (PP-RS), explica que muitos produtores rurais são levados a contrair novos empréstimos para quitar débitos anteriores, sendo frequente a necessidade de renegociação. Em muitos casos, conta, a falta de ambiente para entendimento leva à judicialização dos conflitos relativos ao crédito rural, atrasando a solução e prejudicando a produção de alimentos no país.

Ela disse acreditar que os problemas de endividamento dos produtores serão solucionados com mais agilidade e menor custo se as instituições financeiras forem incentivadas a promover acordos por meio de processos administrativos.

O texto define regras para esses acordos, como o estabelecimento de prazos. Para a conclusão de um processo de renegociação, prevê até 180 dias, com a possibilidade de prorrogação por igual período, “mediante comprovada justificativa”.

Determina ainda que, após receber do agricultor o pedido de negociação da dívida, o banco terá até 60 dias para responder. Serão analisadas, entre outros aspectos, a proposta de quitação apresentada pelo credor e sua capacidade de cumprimento do novo acordo.

O banco poderá pedir perícias técnicas e sugerir mudanças na proposta, caso o agricultor seja devedor de outros empréstimos rurais. Se aprovada, a proposta terá força de título extrajudicial.

Se a proposta for indeferida ou rejeitada, o agricultor poderá reapresentá-la desde que haja mudança em alguns dos fatores que orientaram sua análise. Essa foi uma das mudanças incluídas pelo relator, senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), que apresentou um substitutivo. Se o substitutivo for aprovado, será submetido a turno suplementar de votação, antes de seguir diretamente para a Câmara dos Deputados, já que a decisão é terminativa na CAE.

A pauta da parte deliberativa da reunião, que se realizará na sala 19 da Ala Alexandre Costa, inclui mais sete itens.

Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp