adobe premiere pro cc 2015 update free download gimp 2.6 windows free windows virtual pc without validation windows 8.1 pro volume license free adobe dreamweaver cs4 bagas31 free coreldraw graphics suite x7 vs home and student free full glass windows 8 download free

Na busca da retomada do crescimento econômico e de uma agenda positiva, o presidente Michel Temer retoma nesta quarta-feira, 11, o formato de reuniões de núcleos do governo e deverá tratar pela primeira vez da retomada ou tentativa de celeridade das grandes obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Uma das obras do PAC no Ceará é o Anel Viário, na Região Metropolitana de Fortaleza, que começou há mais de 10 anos e prevê o alargamento da rodovia entre a CE 040, no Eusébio, e a rotatória da BR 020/222, em Caucaia.

O presidente comandará, a partir das 10 horas, uma reunião do núcleo de infraestrutura no Palácio do Planalto para, segundo fontes do governo, tratar de obras do PAC “de maior vulto e peso”. Na semana passada, Temer pediu ao ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, que listasse as obras do PAC de maior importância, que estão ou paralisadas ou andando a passos muito lentos. O objetivo é que sejam estabelecidas prioridades de execução até 2018, quando encerra seu governo.

No ano passado, Temer focou na retomada de projetos menores, com obras de até R$ 10 milhões. O presidente liberou a execução desses pequenos empreendimentos para ajudar a movimentar a economia e também agradar os parlamentares com interesses nas eleições municipais. Agora, a ideia do governo é fazer um balanço semelhante, determinando quais serão as prioridades dentre as grandes obras.

Recursos. Temer quer compatibilizar as demandas principais com a disponibilidade de recursos no Orçamento da União. Caberá ao Ministério da Fazenda sinalizar o que será possível levar adiante frente às necessidades apresentadas por cada uma das pastas envolvidas. Na reunião, o presidente discutirá as prioridades e tentará fazer uma combinação entre o que é possível e o que é urgente. A partir desta discussão, o ministro do Planejamento desenhará um cronograma de execução a ser aprovado pela Fazenda e pelo Planalto.

Entre os presentes na reunião com Temer, além de Dyogo, estarão o secretário-executivo do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), Moreira Franco, e os ministros das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho; dos Transportes, Maurício Quintella; Meio Ambiente, Sarney Filho; Casa Civil, Eliseu Padilha; Integração, Helder Barbalho; e Defesa, Raul Jungmann.

O Ministério da Defesa, por exemplo, está incluído no núcleo de infraestrutura porque tem programas importantes e de alto custo financeiro, como a construção do caça Gripen e o submarino de propulsão nuclear, ambos atingidos pelas restrições orçamentárias.

Com informações O Estado de São Paulo