sketchup pro 2016 vray free free harga forklift baru 2.5 ton free adobe dreamweaver cs4 bagas31 free windows 10 wireless display chromecast free geogebra windows 10 free realtek hd audio manager windows 10 64 bit assassin's creed 2 free for pc

A Câmara sepultou na noite dessa quarta-feira (25) a segunda denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer. O Legislativo ficou cinco meses ocupado com a discussão de duas denúncias contra Temer, ambas rejeitadas pelos deputados. O pedido de investigação de Temer e dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência), por organização criminosa e obstrução à Justiça, foi rejeitado por 251 a 233 votos, além de duas abstenções e 25 ausências. Apesar da abertura de um verdadeiro balcão de negócios, Temer obteve 12 votos a menos do que na primeira denúncia e a oposição, seis a mais.

Temer termina, assim, quase um semestre inteiro de desgaste político e tem, agora, seu caminho para terminar o mandato livre dos maiores obstáculos. A primeira denúncia, por corrupção passiva, chegou à Câmara em 29 de junho, e a segunda, em 21 de setembro. Foi a primeira vez que um presidente da República tornou-se alvo de ação penal, e por duas vezes. Para ser aprovada, a denúncia precisaria de pelo menos 342 votos, ou dois terços dos 513 deputados.

Logo após a votação, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse acreditar que é possível o governo reconstruir sua maioria parlamentar caso não faça retaliações contra deputados que votaram contra o governo.

A oposição fez obstrução e arrastou o início da votação por mais de seis horas — demandando a abertura de uma segunda sessão —, mas sabia que não tinha os votos necessários para aprovar a continuidade da investigação de Temer e seus ministros. Caso fosse admitida a denúncia pela Câmara, o Supremo Tribunal Federal a analisaria e Temer seria afastado do mandato por seis meses.

A sessão contou com um acontecimento inesperado: a notícia de que o presidente havia sido hospitalizado. A notícia abalou o ânimo de governistas, que não sabiam da gravidade do estado de Temer. Segundo o Palácio do Planalto, ele sentiu um “desconforto” e foi constatada uma “obstrução urológica”, o que o levou ao hospital para procedimento.

11 votos contra o presidente Temer

– André Figueiredo (PDT)

– Ariosto Holanda (PDT)

– Chico Lopes (PC do B)

– Vicente Arruda (PDT)

– José Airton (PT)

– José Guimarães (PT)

– Leônidas Cristino (PDT)

– Luizianne Lins (PT)

– Odorico Monteiro (PSB)

– Vitor Valim (PMDB)

– Cabo Sabino (PR)

10 votos a favor do presidente Temer

– Anibal Gomes (PMDB)

– Danilo Forte (PSB)

– Domingos Neto (PSD)

– Genecias Noronha (Solidariedade)

– Gorete Pereira (PR)

– Macedo Júnior (PP)

– Moses Rodrigues (PMDB)

– Raimundo Gomes de Matos (PSDB)

– Ronaldo Martins (PRB)

– Vaidon Oliveira (PROS)

1 ausente

– Adail Carneiro (PP)

Crédito do Jornal O Globo