Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ceará deverá se juntar a Pernambuco e Paraíba na pesquisa do projeto VectorWEB, sistema de vigilância automatizada de mosquitos como o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika, desenvolvido pela Johns Hopkins University (JHU) – Biomedical Engineering, dos Estados Unidos. Foi o que sinalizou o secretário da Saúde do Ceará, Henrique Javi, à professora Sylvia Lemos Hinrichsen, coordenadora do projeto na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), durante visita técnica de professores e pesquisadores da JHU ao Ceará. Nesta quinta-feira (24), a equipe de pesquisadores da JHU esteve na Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Durante visita técnica à Sesa, a equipe conheceu o cenário epidemiológico das arboviroses no Estado e visitou o laboratório de entomologia do Núcleo de Controle de Vetores (NUVET), antes de se reunir com o secretário Henrique Javi. Nesta sexta-feira, 25, os pesquisadores estarão em Cascavel, onde conhecerão as estratégias de combate ao Aedes aegypti desenvolvidas no Ceará.

O sistema de vigilância automatizada de mosquitos facilita o gerenciamento de informações acerca de aéreas endêmicas do Aedes Aegypti, disponibilizando o nível de infestação em tempo real. Para se integrar à pesquisa, a Secretaria da Saúde do Ceará deverá endossar carta de anuência do projeto.

Projeto internacional

O VectorWEB, com financiamento da USAID-EUA, objetiva implantar um sistema de vigilância em áreas com infestação de mosquitos que possibilita o estudo e monitoramento da densidade de vetores em tempo real, contribuindo para o controle de doenças transmitidas por esses insetos. A fase atual do trabalho contempla o desenvolvimento de um aplicativo para smartphone capaz de agrupar imagens, informações sobre incidência de mosquitos, além de emissão de gráficos, taxas e indicadores que serão armazenadas em nuvem e poderão ser acessados por órgãos governamentais de saúde e pela população.

Os pesquisadores norte-americanos, liderados pelo diretor do Programa de Graduação do Centro de Inovação e Design de Bioengenharia da JHU, Soumyadipta Acharya, desenvolveram armadilha equipada com sensores e câmera que contam, fotografam e identificam a espécie do mosquito capturado. As informações lançadas em nuvem geram mapeamento entomológico e gráficos de tendências de infestação. Um modelo mais simples está sendo testado para ser utilizado pela população nas residências.

Com informação do Governo do Estado do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp