Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

“Se acha que a competência custa caro, experimente a incompetência” Miguel Monteiro

A saúde anda caótica de Norte a Sul do Brasil. Isto não é de hoje. Vem de longe. Um problema que se tornou crônico e grave ao ponto de morrerem muitos brasileiros em filas de hospital. Morrem como mosca. Em tempos de engue, zica e chicungunya aí é que o bicho pega para quem não tem um plano de saúde e fica a depender do SUS. É algo desumano, bárbaro. Pois bem, tratando das coisas do nosso chão assusta o tom do discurso do secretário de Saúde de Caucaia, Moacir Soares. Atentem para o discurso do secretário em fala aos vereadores: “Nestes primeiros 100 dias, conseguimos colocar para funcionar o básico do básico.

As condições dos postos de saúde, sem atendimento adequado e medicamentos, além do abandono do hospital e da maternidade sensibilizaram profundamente a mim e ao prefeito.  Tive vontade de chorar.” Moacir Soares já é um velho conhecido de todos nós e um homem calejado na vida pública.

Quando alguém faz um discurso desesperador como este é de causar arrepios nos moradores da grande Caucaia. Isto  mesmo, grande Caucaia. Um município com uma população beirando o meio milhão de habitantes vivendo em condições  precárias de vida. Além da saúde, há o perigo da violência urbana que dizima diariamente parte da população sobretudo a população mais jovem.

O tráfico de drogas está entranhado nas comunidades mais pobres e o crak é uma praga disseminada a granel nos bairros e comunidades interioranas. É a tal da história de se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. O prefeito Naumi Amorim precisa de muito apoio das duas esferas superiores de poder: a estadual e  a federal.

Ele sozinho não poderá incrementar ações. De maneira particular na saúde, sem a colaboração financeira de Camilo e Temer. Agora, o desleixo e irresponsabilidade de Washington Gois é algo assombroso. Este cidadão merecia um bom tempo de cana pelo tamanho da desídia nos tempos em que governou o município e deixou na mão do sucessor uma bomba prestes a explodir. Na saúde, seria o caso do prefeito declarar estado de calamidade pública.

Hospitais sucateados, postos de saúde sem condições de funcionamento. Este é o drama vivido pelo pobre cidadão de Caucaia. Naumi está com as mãos na cabeça e não sabe por onde começar a ajustar do setor. Se ficar sentando em sua cadeira de prefeito sem buscar auxílios em Fortaleza e Brasília a coisa vai ficar preta. E o ex-prefeito continua assistindo a tudo de camarote. E solto.