Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O prefeito Roberto Cláudio realizou a primeira reunião do comitê de políticas públicas para prevenção e ações de combate de arboviroses da Cidade, na manhã desta terça-feira (11/04), no Paço Municipal. A atividade possibilitará intersetorialidade de ações contra o vetor Aedes aegypti e as doenças dengue, zika e chikungunya.

Os encontros efetivarão medidas rápidas e em conjunto com diversos órgãos, intensificando o alcance das ações no combate dessas enfermidades, como explicou o gestor da Capital. “Formalizamos, hoje, grupo de trabalho com diversos órgãos, trabalhando o ano inteiro, mas em regime de urgência de hoje até o fim de junho, que se reunirá semanalmente. Serão reuniões sintéticas e objetivas para o grupo aprovar plano de ações a serem replicadas em todas as Regionais. Nelas, iremos atualizar dados, fazer acompanhamento das ações validadas, além de convidar grupos externos da iniciativa privada que tenham algum tipo de atividade que possibilitem a proliferação dessas doenças, para trabalharmos em conjunto”, afirmou o prefeito Roberto Cláudio.

As intensificações das ações buscam diminuir a incidência no número de caso das arboviroses em Fortaleza, que, por conta das chuvas, apresenta cenário ideal para proliferação do mosquito Aedes aegypti. Entre janeiro e abril deste ano, já foram notificados 2.492 casos de dengue, 1.800 de febre chikungunya e 95 de zika.

De acordo com Joana Maciel, secretária da Saúde do Município, as ações devem ser integradas entre diversos órgãos, para efetivação de uma política pública concreta. “É fundamental a participação de todos os secretários, uma vez que nossa maior luta é realmente contra a disseminação do mosquito, sendo uma ação que vai além da Saúde. A gente fica extremamente feliz com a vontade de cada um em dar sua contribuição, quer seja na Educação, na Secretária de Conservação, na Mobilização Popular, ou Comunicação, pois é um desafio tão grande que só com a participação de todos nós iremos vencer”, declarou.

Nélio Morais, gerente da Célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos da Secretaria Municipal da Saúde, lembrou da importância do engajamento popular para êxito da atividade. “Temos que unir forças, a sociedade e o serviço público, neste momento delicado que estamos com transmissão intensa de febre chikungunya na Cidade. Todos conhecemos o dever de casa, combatendo o vetor Aedes aegypti. Temos que permanentemente eliminar os criadores para minimizar o risco dessas doenças. É importante que o cidadão faça a sua parte, proteja a si, a família, pois, com isso, vamos ultrapassar este período de chuva, que é mais crítico de uma forma mais tranquila”, disse.

Entre as ações já discutidas, estão a intensificação de atividades de controle vetorial que perpassam pelo levantamento e acompanhamento de índices, eliminação de criadores de vetores, aplicação de larvicidas, formação de educadores e multiplicadores temáticos, criação de campanhas educativas nas escolas, fiscalização de imóveis, intensificação de visitas, ações de comunicação e propaganda para envolvimento da sociedade.

Com informação da A.I

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp