Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

“ Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão! ” – Pois não é o grande sambista Bezerra da Silva tinha razão.

Furacão italiano
Se o furacão Irma está deixando um rastro de destruição no Caribe e nos EUA, o furacão Palocci trouxe à tona um “pacto de sangue”, uma propina de R$ 300 milhões e a origem do sítio de Atibaia. O ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma, Antonio Palocci, dá detalhes da ligação entre Lula e a Odebrecht. Mas a quarta-feira ainda tingida pelos desdobramentos das tempestades da JBS e dos R$ 51 milhões (uma megasena acumulada!) encontrados em um apartamento, que seriam de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer.

Papuda neles
Luiz Fux, do STF, defendeu na quarta-feira a prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud. A descoberta de uma nova gravação fez Rodrigo Janot abrir uma investigação interna que poderá levar à revisão da delação de três dos dois delatores da JBS. Isso porque o áudio revela fatos que não haviam sido mencionados antes. E omissões são vedadas pelo acordo firmado com a Procuradoria-Geral da República.

Em defesa do STF
No áudio, entre outras coisas, os delatores fazem menções a ministros do tribunal. Além de Fux, mais dois integrantes do STF – Celso de Mello e Marco Aurélio Mello – também saíram em defesa da corte, seja por meio de entrevistas, seja por meio de discursos no plenário do tribunal. Os ministros entendem ainda que provas obtidas a partir da delação poderão ser preservadas, mesmo que o acordo seja anulado.

Caladão
Embora apenas os três ministros tenham falado publicamente do assunto no STF nesta quarta-feira, outros integrantes da corte estão irritados com Janot. Durante os discursos em plenário, o procurador-geral ouviu calado e não esboçou reação. “Eu acho que Joesley e Ricardo Saud ludibriaram a Procuradoria, degradaram a imagem do Brasil no plano internacional, atentaram contra a dignidade da Justiça, mostraram a arrogância dos criminosos do colarinho branco. A primeira providência a ser tomada é prendê-los”. – afirmou Fux.

De NY para Papuda
O ministro destacou que a prisão deve ser pedida, e não pode ser pelo STF, ou seja, por conta própria. Ele sugeriu que a PGR peça isso. “Eu deixo ao alvedrio do Ministério Público a opção de fazer com que os participantes dessa cadeia criminosa passassem do exílio em Nova York para o exílio na Papuda. Gostaria de sugerir isto aqui em meu nome pessoal e eventualmente daqueles que concordam com minha indignação. ” – sentenciou Fux.

Veneno puro

Gilmar Mendes, por sua vez, disse em Paris, que Rodrigo Janot acobertou seu ex-braço direito, o ex-procurador Marcello Miller, suspeito de ter atuado em favor de executivos da JBS envolvidos em delações premiadas na Lava Jato. Ele é um dos principais citados em novos áudios gravado por Joesley Batista e Ricardo Saud.
“Todos sabiam do envolvimento do Marcello Miller nesse episódio, só o doutor Janot que o escamoteava, que o escondia”, afirmou Mendes, ao dizer que as supostas manobras do ex-procurador eram um “segredo de carochinha” em Brasília.

Sobrou para a PGR

Mendes também acusou a Procuradoria-Geral da República, sob a batuta de Janot, de ter feito “contratos criminosos” com delatores da Lava Jato. “Ele [Janot] fez jus a tudo o que ele plantou durante todos esses anos e isso vai ser a marca que nós vamos guardar dele: o procurador-geral da delação Joesley, desse contrato com criminosos e desta fita”, disse o magistrado.

Casa cheia

O feriadão da Independência promete movimentar Fortaleza e os outros principais destinos turísticos do Ceará. De acordo com pesquisa da Secretaria do Turismo do Ceará, a taxa de ocupação hoteleira de Fortaleza está em 90,4% neste feriado. O melhor resultado é da rede hoteleira formal, já que os hotéis estão com 93% de ocupação. Flats (90,7%), albergues (78,7%) e pousadas (71,2%) também têm boa taxa para o período.

Sol e mar

A procura pelos principais destinos do Ceará também está alta. Foi registrada média de 80,6% de ocupação hoteleira para este feriado. O maior índice é de Jericoacoara, com 94%, seguida por Canoa Quebrada (91,2%), Guaramiranga (84%), Cumbuco (78,9%), Porto das Dunas (70%) e Praia das Fontes/Morro Branco (65,9%). “Tivemos 49 voos extras de São Paulo, Recife, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília para este feriado”, ressalta o secretário do Turismo, Arialdo Pinho.

Turismo de eventos

Além do feriado da Independência, Fortaleza também está recebendo nesta semana o 61º Congresso Brasileiro de Oftalmologia, que está sendo realizado no Centro de Eventos do Ceará e também movimenta a rede hoteleira. O evento, que reúne cerca de quatro mil participantes, teve início ontem, na quarta-feira (6), e segue até sábado (9).

Na cabeça
O Banco Central confirmou as expectativas do mercado e cortou em um ponto percentual a taxa básica de juros da economia, para 8,25% ao ano. Foi a oitava redução seguida da Selic, que está no menor patamar desde o início de julho de 2013. A decisão do Copom ativou o gatilho que reduz o ganho da poupança, que passa a render 70% da Selic mais TR (taxa referencial). A inflação sob controle e a necessidade de reanimar a atividade econômica foram dois dos principais fatores que pesaram na decisão do BC de cortar os juros.

Inflação oficial
Em agosto, o IPCA subiu 0,19%, após alta de 0,24% no mês anterior. Nos 12 meses até agosto, o índice teve alta de 2,46%, a menor variação acumulada em 12 meses desde fevereiro de 1999 (2,24%).
Nessa quarta-feira, Henrique Meirelles (Fazenda) já havia afirmado que a inflação baixa dava “flexibilidade” ao Banco Central para continuar com a política de redução da taxa básica de juros, a Selic.

Economia aquecida

Ao cortar os juros, o Banco Central também busca reanimar a atividade econômica. No segundo trimestre, o PIB avançou 0,2% na comparação com os três meses anteriores. Os saques das contas inativas do FGTS e o encerramento do ciclo de demissões, antes do que previam os economistas, contribuíram para este cenário.
A expectativa de economistas consultados pelo Banco Central é que a taxa básica de juros termine o ano a 7,25%, em seu menor nível histórico. Já o PIB deve terminar 2017 com avanço de 0,5%.

Gasolina cai
A Petrobras anunciou ontem (6) a queda do preço da gasolina em 3,8%. Por outro lado, o preço do óleo diesel foi aumentado em 0,7%. A nova política da estatal prevê reajustes quase diários nos combustíveis. Os reajustes são aplicados na saída das refinarias, ou seja, são calculados sobre o preço do combustível vendido aos distribuidores. O preço no posto de gasolina pode ser reajustado em valores acima ou abaixo desse. A queda de 3,8% da gasolina ocorreu depois de quatro altas consecutivas, que resultaram num reajuste acumulado de 11,09%, entre 31 de agosto e 5 de setembro.

Boia também
Os preços dos alimentos caíram pelo quarto mês vez consecutivo e ajudaram a conter o impacto da disparada dos combustíveis na inflação. O IPCA subiu 0,19% em agosto, após alta de 0,24% no mês anterior, informou o IBGE. No acumulado de 12 meses até agosto, o IPCA teve alta de 2,46%, a menor variação acumulada em 12 meses desde fevereiro de 1999 (2,24%). Com isso, nota-se a desaceleração do índice comparando com o resultado de 2,71% observado no acumulado até julho. Assim, o índice foi ainda mais abaixo do piso da meta oficial de inflação para este ano, de 4,5% com margem de 1,5 ponto percentual.

Leão regurgita
A consulta ao quarto lote de restituição do Imposto de Renda de 2017 estará disponível a partir das 9h da sexta-feira (8). O lote contempla 2,257 milhões de contribuintes, totalizando a liberação de mais de R$ 2,7 bilhões. Também serão liberadas para consulta restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2016. No total dos lotes, será liberado o crédito bancário para 2,357 milhões de contribuintes, no dia 15 de setembro.

Valeu boi

O desembargador Paulo Airton Albuquerque Filho suspendeu a liminar que havia proibido a realização da 28ª Vaquejada de Quixeramobim. Com a medida, o evento, previsto para ocorrer no feriadão, poderá acontecer normalmente. O Ministério Público do Ceará considera que a vaquejada envolve maus-tratos e crueldade aos animais. Os organizadores negam e argumentam que as competições têm relevância econômica e cultural para o país.